A-ha!

Afinal, esta minha conversa não seria tão estapafúrdia assim!:

Reino Unido apresenta proposta para regulamentar conteúdos da internet

O Reino Unido apresentou uma proposta legislativa que visa proteger os utilizadores da Internet daquilo que considera tratarem-se de “conteúdos nocivos”. O termo engloba conteúdos que possam estar relacionados com exploração sexual de menores, violência, discurso de ódio, terrorismo ou incitamento ao suicídio. (…) O governo britânico pretende que redes sociais, motores de busca, serviços de mensagens e plataformas de partilha de ficheiros sejam regulamentadas por uma entidade independente. A este novo organismo seria concedido poder não só para aplicar multas milionárias às empresas que não cumprissem as novas leis como também para responsabilizar os próprios líderes. (…) As propostas, que o governo britânico considera tratarem-se das primeiras leis de segurança online mundiais, surgem numa altura em que tem vindo a aumentar a pressão mundial sobre as tecnológicas americanas no sentido de evitar a apresentação de conteúdos nocivos nas suas plataformas. Em declaração oficial, a primeira ministra britânica afirmou que pretende com estas leis “obrigar as empresas de Internet a assumir a responsabilidade pelas suas plataformas e o dever de manter as pessoas protegidas”. (…)

Anúncios

O “numerosa” em “família numerosa” explicado em imagem

Não é tão bom, ter os três terços de filhos doentes ao mesmo tempo? A caírem que nem tordos, uns atrás dos outros, a cada dois dias? Pois não. Mas passa-se nesta casa. O meu truque para enfiar os medicamentos, seja os antipiréticos, seja os granulados que se dissolvem em água, é o da seringada. Quando começam “ai ai ai”, já foi, já lá está ao fundo da goela, já não lhes resta mais nada senão engolir. Mas para que corra bem, não posso estar com aquele compasso de espera de quando não cabe tudo na primeira seringa. Então vou logo munida com duas ou três.

Vezes três, é este ridículo:

🤦🏼‍♀️

Atos de consideração

As festas de aniversário dos miúdos, hoje em dia, estão corrompidas, digo eu.

Eu vivi toda a vida a fazer anos durante as férias do Natal e dava graças a Deus por sequer ter amigos na minha festa, que o normal era irem “para a terra” passar o Natal. Festa essa que era em casa, claro está. Com bolos caseiros, ratos (lembro-me tão bem!) feitos de metades de pera que a minha mãe enfeitava com rabos, olhos e orelhas, com petiscos para adultos também, tudo preparado pela minha mãe, avós e tias! Quem vinha trazia-me um presente (a família até nem isso, porque sou daquelas que ouviu sempre o clássico “este é de natal e de anos, está bem, querida?” e portanto o meu presente de anos imiscuía-se no de Natal, passado havia um par de dias). Brincávamos muito lá por casa, zangávamo-nos, eu fazia birras do género “eu é que sou a dona da festa e portanto é como eu digo ou ninguém brinca”, iam todos para casa no fim e eu ficava feliz e contente, a comer as sobras com a família até ao fim de ano! Continuar a ler

food for thought – iCenas

Outro dia quis cancelar uma app e não consegui. “Estudasses”, né? Pois é, mas não é por aí. A questão é que o botão de cancelamento está tão escondido atrás de menus e submenus, cada um deles a pedir para validar as credenciais com ID e password, que, ouve lá, não era mesmo possível ao comum utilizador (não estou a falar de hi-tech geeks) chegar lá. É de propósito, claro. A app que se promete gratuita, afinal é um free trial de duas semanas, após o qual começas automática e discretamente (sem avisos ou notificações) a pagar para ter.

Ora isto vem a propósito do do costume, pois claro: a segurança nas redes ou a falta dela e a maneira leviana com que as utilizamos. Continuar a ler

Florença

JKZV2497

Fomos passar o fim de semana a Florença só os dois. Também é bom sair das rotinas do dia a dia, é da maneira que damos valor, não só àquilo que for que dá a pedrada no charco, como também à rotina em si. Já o ano passado tínhamos ido a Roma e não cheguei a escrever sobre isso. Mas estas escapadinhas de três dias são ótimas para conhecer uma cidade (ou para a visitar de novo) e são a medida q.b. para as saudades ;) Continuar a ler