É pró menino e prá menina

A maior parte das coisas que aparecem naqueles grupos de mães do facebook dão-me vontade de rir e de me ir desvincular daquilo, mas depois lá aparecem vira e volta uns posts como este que me fazem ler os comentários todos até ao fim e demover da ideia de sair dali:

menino menina1

Não podia concordar mais: pais trabalhem em casa. Não há paciência para preconceitos nesta idade nem desculpas para uma educação homofóbica no século XXI. Continuar a ler

Quem pode, deve.

O artigo 33º do Código do Trabalho diz assim:

Artigo 33.º
Parentalidade
1 — A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.
2 — Os trabalhadores têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação ao exercício da parentalidade.

A partir daí, é toda uma subsecção da Lei dedicada à parentalidade, à proteção da maternidade em especial e da parentalidade genericamente falando, e ao incentivo à natalidade, tanto quanto ao fim de 40 anos de democracia se conseguiu fazer neste país. Continuar a ler

TPC: fazer um animal com uma garrafa de iogurte líquido 

Da sala da Júlia passaram-me uma garrafa de iogurte líquido para as mãos com um papelinho de instruções: criar a partir dali um animal à escolha com os materiais que entendêssemos; registar o making of.

Raios. Eu sou aquela que, nas aulas de trabalhos manuais, nem sabia bem como é que as tapeçarias me aconteciam, nem como é que as campainhas efetivamente tocavam ou as lâmpadas davam mesmo luz… Como é que ia agora fazer dali um bicho?! Andei ali dois dias de roda da garrafa, a olhá-la de lado, a pensar se me dava mais jeito fazer um quadrúpede e usá-la deitada, se um bípede e deixá-la assim de pé, a imaginar-lhe patas e caudas e de tudo desistia por falta de consistência na criatividade! Continuar a ler

Little i

A empreendedora da L. pôs-se a brincar aos laços, criou a Little i, já vai nas golas e não tem mãos a medir. Já lhe disse: qualquer dia está a lançar-se nas forras do ovo e da alcofa e nem sabe como! Tudo BBB: bom, bonito e barato. E produto nacional, como aqui a Maria Pechinchas gosta.

A vaidosa da mãe escolheu estas para a vaidosa da filha usar este verão. Giras?


Com sorte, o percentil 15 mantém-se e veste-as no verão que vem também, eheheh.