Alguém que me ponha juízo na cabeça

Terceira gravidez, ok? Terceira. As duas anteriores aconteceram mais ou menos pela mesma altura no calendário e com a sorte de apanhar meias estações. Ou seja: tenho roupa de grávida de todo o tipo e para todas as temperaturas. Camisas e vestidos mais direitinhos para as reuniões, gangas e calções para ténis e fim de semana, t-shirts e camisolas, enfim, estou servida, diz-me a razão.

Ainda assim, só me apetece é comprar roupa nova como se estivesse no auge da minha elegância, como se estivesse acabadinha de fazer uma dieta que tinha corrido bem e a vestir um 36 a ficar largo!! Não sou estúpida?

É bom que me apeteça sentir-me bonita, isso a razão também me diz. Mas, oh senhores…. se é todo um guarda-roupa lá em casa com marsúpios e franzidos laterais para acomodar a evolução da pança, porque raios só me dá para isto e isto??! E ainda isto, como se estivesse a preparar-me para um verão de casamentos? :D))

e agora uma nota sobre política interna

Imagina que isto era um jogo do “descobre as diferenças”, só que ao contrário. Eu assinalo esta: Governo não dá tolerância de ponto na quinta-feira à tarde aos trabalhadores da Função Pública, véspera do feriado de Sexta-feira Santa. O Governo de António Costa tomou a decisão à semelhança do que decidiu o Executivo de Passos Coelho e Paulo Portas.

ahahahahahahahaha…

e há de continuar.

Escapar

Aqui no escritório há sempre gente a caminho de Bruxelas, em Bruxelas ou a vir de Bruxelas. Sempre. Todas as semanas, deslocações de dois, três dias, um ir e vir só para uma reunião de um dia, sempre.

Estava de mini férias, a acordar e a despachar para ir com eles para o Pavilhão do Conhecimento. De repente, a tv ligada à procura de um Bombeiro Sam ou da Patrulha Pata detém-me antes nas parangonas de rodapés em vermelho vivo e com caps lock. Revi mentalmente todos os colegas que poderiam lá estar, agradeci a Deus por saber que a minha P. não ia esta semana, continuei a calçar um pé, depois o outro e a pedir “shiu, shiu, deixem só ouvir isto” até perceber que era outra vez Paris ou Londres ou Madrid ou 11 de Setembro. Continuar a ler

A Júlia cheira a banana

Cheira bem, a minha filha. Dorme uma sesta que já vai pra três horas aqui ao meu lado. É quando dorme melhor, é quando ficamos com ela. Se fizer a sesta na sua cama, ao fim de uns 40, 50 minutos está a acordar. Na escola igual, tem sono de passarinho. Tem sede de vida e mundo, quer estar atenta, não pode perder nada. Mas se eu ficar com ela, parece que se sente no seu sítio devido, que não precisa de mais nada, e descansa.

O perfil dela aqui meio às escuras é tal qual o de uma das suas ecografias. Narizinho pequenino e arrebitado, a bochechinha a pedir festas que não posso dar para não a interromper, as pestanas longas deitadas sobre a maçã do rosto, os lábios carnudos como os do pai e dos manos, juntos, tão beijáveis… Uma mãozinha que se deixa ficar ali pela face depois de já ter servido a sua função – chucha no dedo, como a mamã – e um cheirinho a quente e a banana que se confunde com o respirar profundo de quem tem paz.

Amo-a tanto… 😍

a sério?

Abro o Facebook e deparo-me com este disparate no meu feed, uma entrada num grupo desses de mães a que eu ainda pertenço, mais pela inércia de me desvincular, pelo tempo que perco a procurar o botão de “desaderir”, do que por convicção:

mães

Assim de repente, assolaram-me a mente várias questões:

1 – Porquê? Não, a sério: porquê? Que necessidade instrínseca teve esta mãe de partilhar com os milhares de membros (que não conhece) daquele grupo as notas do filho? Acrescentando que ele tem sido sempre assim. *boring :/* Qual é a força que move uma pessoa – ok, é uma mãe. as mães viram leoas, já sabemos. mas descontemos essa parte. – dizia eu, ainda assim, que necessidade tem ela de vangloriar as notas do filho?

2 – Faria o mesmo se fossem más notas?

3 – O José Miguel, que frequenta o 3º ano e terá, portanto, uns 8 anos, tem página de Facebook? É membro deste grupo? Então porquê “parabéns filhote!!!!!!” (com 6 pontos de exclamação, seis!) como se esta mensagem fosse para ele e não apenas para dar azo à própria vaidade incontida?

4 – E só há comentários de bajulação? 143 likes? Estarão as estupfactas como eu tão estupfactas que preferiram rir-se pró lado com pena e, simplesmente fazer scroll down?

5 – Porque é que estou a escrever isto aqui em vez de comentar lá? (esta resposta eu sei: porque não tenho a veleidade de querer educar ninguém além dos meus filhos, muito menos gente adulta. E também porque não promovo a baixaria que tantas vezes abunda neste tipo de grupos.) Aliás, porque é que não empreguei este tempo em que estou a escrever isto para procurar o dito botão do “desvincular” do grupo?

A sério, que Deus me dê lucidez. Que me ajude a ser um bom exemplo para os meus filhos e a saber distingir a pura vaidade do orgulho natural com os sucessos deles.