Madeira. Com 3 galhos.

A tradição das bodas surgiu na Alemanha, onde era costume de pequenos povoados oferecer uma coroa de prata aos casais que fizessem 25 anos de casados e uma de ouro aos que chegassem aos 50. Então, com o passar dos séculos, foram criadas outras simbologias para os anos seguintes, e quanto mais tempo de casado, maior é a importância do material, que vai do mais frágil ao mais resistente.

Wikipedia

As bodas de madeira simbolizam o fortalecimento e “enraizamento” da relação, que começa a gerar “galhos” (filhos), assim como as árvores.

significados.com.br

5 anos e 3 galhos, a nossa. Confere.

O efeito borboleta

As eleições nos EUA não têm nada a ver com as nossas. Nem o sistema eleitoral, nem o tipo de campanha que os principais partidos fazem, nem o funding, nem os lobbies que existem por detrás e a maneira como movem influências, nem o comportamento dos meios de comunicação social, nada é igual ao que conhecemos por cá. À boa maneira americana, é tudo um grande show e, a mim, dá-me um gozo brutal ir assistindo como se fossem episódios de uma novela das boas. Continuar a ler

Vi eu, ninguém me contou.

Outra deste género que me aconteceu foi à porta de um hospital público onde o estacionamento é todo pago, exceto nos três lugares dedicados a grávidas, pessoas com crianças de colo e pessoas com mobilidade reduzida e nos dois lugares ao lado destes, para deficientes. Raramente estão disponíveis, claro.

Belo dia, ia eu com o Manel ainda no ovo prontinha para estacionar num daqueles três, Continuar a ler

Olhó exemplo

O posto da GNR em Tróia fica numa rua em que é proíbido estacionar, exceto no recorte reservado a um veículo da GNR. O que é que os senhores agentes preferem fazer, ainda assim? Desprezar o lugar construído propositadamente para eles e estacionar o veículo em infração.


Adivinho que a manobra seja difícil, ou que a obra é que não foi bem feita e o recorte não facilita o estacionamento, ou que os senhores agentes iam cheios de vontade de fazer xixi e se perdessem mais tempo a manobrar faziam nas calças, ou qualquer coisa assim. Só pode.

Matar saudades 

Um dos meus momentos favoritos das sextas feiras depois de uma semana de ausência é aquele em que eu estaciono o carro quando sei que já não volto a sair e tenho que o fazer de maneira a que ele consiga estacionar o dele quando chegar de madrugada. Ainda falta muito para a madrugada, mas só com isso parece que já sinto o abraço que aí vem.